domingo, 27 de maio de 2007

Ota. Porque ter medo de esclarecer?

O Presidente da República, Cavaco Silva, considera necessário fazer uma debate profundo sobre o novo aeroporto de Lisboa, assunto sobre o qual têm surgido grandes dúvidas nos aspectos geográfico, topográfico, orográfico, geológico, segurança de voo nas descolagens e aterragens, mas o Governo está irredutível em relação à escolha da Ota. Vá lá saber-se o porquê desta teimosia!

Essa teimosia chegou ao ponto de o ministro das Obras Públicas, Mário Lino, ter dito que "jamais" o aeroporto será construído na Margem Sul, região que apelidou de "deserto faraónico". Perante esta teimosia arrogante que levanta dúvidas sobre as razões que lhe assistem e os interesses que estarão por detrás, Cavaco apressou-se a pedir imediatamente "um debate profundo" e "consenso técnico e político" sobre o novo aeroporto. Com efeito, quem tem medo de esclarecer este tão grande investimento? Porquê? Terão mesmo argumentos válidos para defenderem a Ota? Se têm, porque não os apresentam?

O Presidente merece apoio geral quando defende que o Parlamento não se deve demitir da intervenção permanente nas grandes questões da actualidade, e esta é uma delas. Os deputados não devem abdicar da sua função fiscalizadora, independentemente da sua cor política. É imperioso incutir "factores de racionalidade" na discussão sobre a localização do futuro aeroporto internacional de Lisboa ao contrário da argumentação utilizada por Lino em defesa da Ota no almoço na Ordem dos Economistas.

Quanto ao colóquio previsto na AR para o dia 11, Helena Pinto, do BE, avisa que "não pode ser um espaço onde o Governo vai fazer propaganda". "O colóquio não substituiu o debate político. Não é ali que se vai chegar a um consenso alargado, como pediu o Presidente. O Governo tem que ir ao Parlamento, mas ao plenário ou à comissão", sustenta Helena Pinto.

António Carlos Monteiro, do CDS, após as declarações sobre o "deserto" da margem Sul., acusa o ministro de "arranjar desculpas para fugir ao Parlamento". "Isso é censurável", acusa, insistindo no pedido de audição parlamentar de Mário Lino.

O deputado do PCP Bruno Dias defendeu esta sexta-feira a suspensão do processo para a construção do novo aeroporto de Lisboa, exigindo novos estudos, e responsabilizou o PS pela falta de um debate aprofundado sobre o tema. O comunista defendeu que o processo seja suspenso até à realização de novos estudos que sirvam de base «a um debate aprofundado», como sugeriu o presidente da República.

Também Miguel Relvas do PSD apoia o debate na AR e diz "espero que o PS não desrespeite o presidente da República como já desrespeitou o presidente da AR, quando chumbou o pedido a universidades para fazerem estudos sobre o aeroporto".

Marques Mendes descreveu a intervenção do Presidente da República, sexta-feira, como «muito importante», ao dizer que «é urgente um debate aprofundado sobre o novo aeroporto e em torno de toda esta questão». «Julgo que o apelo do Presidente da República foi dirigido ao Governo e aos vários responsáveis políticos». «Penso que é possível e desejável todo o consenso sobre o investimento do novo aeroporto. Estamos preparados e esperamos que o senhor primeiro-ministro tenha a mesma abertura e mostre a mesma disponibilidade acima dos interesses e da teimosia». Considerou as declarações de Mário Lino acerca do deserto na margem Sul «não apenas como um delírio, mas como uma provocação e um insulto de alguém que já não está bom da cabeça».

Mas, apesar de tudo isto, José Junqueiro, do PS, em defesa da obstinação obscurantista do seu partido, alega que "o debate político com especialistas não pode ser outro que não o do colóquio do dia 11. O que vamos fazer é um debate correctíssimo", e considera que Cavaco "não pediu uma coisa político-partidária, pediu um debate no Parlamento". Uma máscara, pois todos sabemos que Cavaco ao pedir a intervenção do Parlamento, estava consciente que naquele Palácio se faz política partidária.

Qual é a dúvida de Junqueiro? Que interesses tão importantes existem para exigir tanta blindagem por parte do Governo e do Partido que o apoia? Porquê tanto medo de clarificar o processo da escolha do local do Novo Aeroporto Internacional de Lisboa?

12 comentários:

Pirata das Berlengas disse...

Caro Amigo,

Veja meu comentário no post seguinte.

O Pirata

Pirata das Berlengas disse...

Aliás, deixei-lhe vários comentários em posts anteriores. No intervalo entre idas e vindas vou aparecendo a dizer "olá" aos Amigos.

O Pirata

PintoRibeiro disse...

Existe, o presidente?
Bom domingo.

A. João Soares disse...

Teoricamente existe um PR. Legalmente, pouco pode fazer. O actual, sendo um economista teórico, professor, é suposto ser demasiado cerebral para tomar decisões oportunas e práticas. Será como um médico demasiado meticuloso que estudará cuidadosamente todos os exames e análises, meditará, pensará e quando chegará, por fim, a uma conclusão quanto ao diagnóstico e à terapêutica, o doente já morreu.
Um dos grandes males do nosso País é de a política estar nas mãos de homens de direito (voltados para leis de há vários anos que quando foram feitas se referiam a situações já anteriores) com pouca noção dos reais problemas do povo e nas de professores universitários que sentem imensa dificuldade em compreender os casos reais, tão obcecados têm vivido com os grande princípios científicos, teóricos.
Abraço

Mentiroso disse...

Não parece que se esteja a ver o problema pelo seu lado real. Como toda a gente sabe, os invejosos e mal intencionados no Porto sempre tudo fizeram para diminuir a hegemonia que Lisboa já tinha mesmo antes de 1147. Por causa dessa inveja, os políticos corruptos têm desviado os fundos europeus para as regiões mais atrasadas, em que o Alentejo se enquadra, para a região do Porto. Como se pode compreender que uma região muito menor que a de Lisboa posa ter quase o dobro de extensão de linha de metropolitano? Não que aquilo seja muito mais que um eléctrico. Não, também, que não faça verdadeiramente falta, mas serve muito menos pessoas do que na região de Lisboa. Como se pode de outro modo compreender que se tenha praticamente refeito o aeroporto de Pedras Rubras e agora se queira dar a grande machadada a Lisboa? Sim, porque construir um aeroporto na Ota não é deslocá-lo, é fazer um novo aeroporto para o centro do país e retirar a Lisboa aquele que já tem, tentando assim os apoiantes dos tripeiros a dita machadada na supremacia da capital, que seria seriamente atingida. De recordar que para além disto, o Porto sempre tem parasitado o Norte do País. Veja-se por exemplo como os tripeiros baptizaram o vinho generoso das encostas de Trás-Os-Montes.

Mentiroso disse...

Pois, esperemos que o Cavaco seja melhor presidente do que foi governante. A jamais esquecer de que foi ele com os seus governos de bandidos salteadores e corruptos que puseram Portugal no estado de miséria em que hoje se encontra. Se não foi o único a fazê-lo, pelo menoa a sua culpa é tanto maior quanto mais tempo lá esteve.

A. João Soares disse...

Caro Mentiroso.
Coloca aqui dois pontos de vista novos neste debate, que merecem atenção. São realidades com que se deve contar e que merecem ser meditadas. Infelizmente, raramente se tem a lucidez e a coragem de ir ao fundo dos assuntos e acaba-se por andar nas orlas a discutir marginalidades e aspectos pouco significativos. O aeroporto Sá Carneiro e o Metro são dois factos reais, bem como quantidade de pontes sobre o Douro e o abundante nó de auto-estradas na periferia do Porto, Dizem mal do João Jardim de explorar os dinheiros do País, mas não reparam que o porto faz o mesmo, acentuando as assimetrias entre o Norte e o Sul.
Um abraço

amagno disse...

Não concordo com o ponto de vista do "Mentiroso" que por algum motivo diz coisas menos precisas...Cavaco foi o pior governante?
Então o Guterres?Foi simplesmente o esbanjador do erário público e meteu PORTUGAL num beco sem saída.
Desde o rendimento mínimo de Ferro Rodrigues, à famosa política do diálogo, para depois fugir.
Cavaco cometeu erros, sim, todos cometem, mas foi nesses período que este pseudo país se desenvolveu, mais um pouquito.
Cavaco cometeu um erro, o de não apertar amis o cinto aos portugueses!
Quanto ao metro do Porto vem de políticos do PS, como Fernando Gomes e o falta de ar Nuno Cardoso, o tal das águas.
O Porto encontra-se vazio, sem pessoas, sem comércio, sem empresas fruto da política destes anteriores desgovernantes xuxialistas!
Portugal é um marasmo, culpa dos portugueses e dos partidos obsoletos que mamam a bipolarização e os tachos!

O Porto é uma região atrasada, sem sombras de dúvidas!
Aliás Portugal é um País fictício...

cumprimentos

A. João Soares disse...

Eis o amigo Magno e a sua magnitude. Esta aberto o debate, sendo bem vindas novas opiniões. Concordo que o Guterres conseguiu ser pior, mas a primeira machadada tosca dada nos militares foi na governação do Cavaco, pela mão do F Nogueira qu, entre outras coisas acabou com a indexação dos vencimentos ao de General, com vista a aumentar estes para os ter na mão, cegamente obedientes Recorde-se essa obediência nas palavras de Mendes Cabeçadas quando, nas célebres manifestações de Setembro, se limitou a papaguear as palavras do ministro.

E o Porto, apesar das más Câmaras dos socialistas, tem beneficiado mais dos dinheiros públicos do que Lisboa. A tal dicotomia fica bem patente quando os tripeiros se referem aos da capital tratando-os por mouros. Ma não quero tomar posição nesta luta: sou do centro!

al cardoso disse...

Creio que sua alteza real Cavaco I, tambem pertence ao club dos OTArios!!!

Um abraco beirao d'Algodres.

A. João Soares disse...

Caro Albino,
Creio que não pertence.
1. O dicionário diz que otário é «Que ou o que se deixa enganar facilmente; ingénuo, simplório, bobo» Ora ele não é nada disto. É finório, esperto, uma velha raposa. Recorde-se que ele passou a ser líder do PSD, só porque, por acaso e pura coincidência, foi fazer a rodagem do carro até à Figueira da Foz.
2. Se com otário, quer significar o novo neologismo de amigo da Ota, também ele não será, porque o debate profundo que ele propõe não vai desenterrar argumentos válidos que defendam a decisão do Lino ibérico.
Poderá ter sido amigo da solução e até ter benefícios nisso (ele também é politico!), mas se for esse o caso, está a sacudir a água do capote, como velha raposa que é.

Enfim, considero-me Otário, no primeiro sentido, e estou à espera que me expliquem as vantagens da Ota para eu compreender tanta obstinação por parte dos socialistas .

Cumprimentos
AJS

haviador disse...

É Pázinhos não está de caras que quem comprou a Troia, o banco que detem a Comporta e a CIP que detem a Montalvo é que pagam a campanha anti Ota, porque querem o aeroporto ao pé dos seus investimentos turisticos, é só ver o caso Portucale, que corrompeu os meninos daquele partido financiado pelo Jacinto Leite Capelo Rego, isto è uma vergonha, ainda esta gente vai na conversa desse Doutor Pitorra Mentes e do conflitodependente Portias, o pessoal quer é disto e floribelas...
Agora fazerem um aeroporto entre salinas e arrozais na margem sul?...
Está tudo louco...