sábado, 5 de maio de 2007

Um passo para a inovação

Caravana ecológica percorre o país

Automóveis movidos com combustíveis ecológicos - óleo usado em restaurantes, biodiesel e híbridos - vão percorrer o país nos dias 11, 12 e 13, numa acção de sensibilização para as alternativas aos combustíveis fósseis.

A iniciativa "Portugal de lés a lés 2007 Travessia de Norte a Sul" é de um fórum de discussão sobre energias alternativas e renováveis, criado na Universidade de Aveiro. E, segundo um dos organizadores, Luís Miguel Oliveira, conta já com inscrições de utilizadores de todo o país.

A caravana ecológica parte de Bragança, com destino à Quarteira, onde termina com a participação numa exposição sobre veículos "amigos do Ambiente" e cozinhas solares. Para o reabastecimento ao longo do percurso, conta com pontos de apoio de utilizadores de combustíveis alternativos.

Custos reduzidos

De acordo com Luís Oliveira, estudante de Química da Universidade de Aveiro, a maior parte dos carros inscritos são movidos a biodiesel, mas há também alguns a "óleo directo" vegetal. Trata-se de um combustível alternativo que não afecta o rendimento do automóvel, já que tem um poder calórico semelhante ao gasóleo.

Quanto ao custo, comprando o óleo novo em supermercados, o preço por litro pode ficar a menos de 75 cêntimos. Mas muitos dos utilizadores recorrem mesmo a óleos usados, oferecidos por restaurantes e particulares.

NOTA: Os portugueses temos que inovar, pesquisar novas soluções para sobreviver na economia mundial em época de globalização. A solução do futuro não pode assentar nas actividades tradicionais. O artesanato é lindo e não deve ser esquecido, mas não basta para a competitividade internacional, para equilibrar a balança comercial. Há que investigar, descobrindo actividades em que possamos enfrentar a concorrência e sobreviver na arena internacional de amanhã, que não dará hipóteses a dorminhocos conformistas.
Felizmente, a juventude não está toda adormecida e resignada, havendo grupos de estudantes e académicos que se dedicam a perspectivar o futuro com vontade de vencer. Esta divulgação da utilização de novas energias não poluentes é de estimular, quando o petróleo ameaça esgotar-se e quando crescem as preocupações com a preservação do ambiente e as alterações climáticas.
É agora indispensável que avancem investidores e industriais a iniciarem a produção em massa e não deixem que estrangeiros se antecipem.

2 comentários:

PintoRibeiro disse...

Sem paciência mesmo nenhuma para andar aqui, só vim mesmo deixar um abraço de bom fim de semana.

Opintas/Bernardo disse...

( Tenho lá um tema em que gostava da sua opinião ).
Boa tarde.
Um abraço.