quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Os assistentes individuais

Da autoria de Espectadora atenta, publicado no blog Potucalactual

O recrutamento de um assistente individual para cada um dos 230 deputados poderá implicar à Assembleia da República (AR) uma despesa mensal entre cerca de 300 e 500 mil euros. Ou seja, entre 4,6 e 7 milhões de euros por ano.

O novo cargo, que poderá ser criado já a partir de meados de Setembro, não implica, como ficou consagrado na lei, um aumento da despesa global com a actividade parlamentar, mas, para ser implementado, exigirá a obtenção de poupanças financeiras noutras áreas de funcionamento da AR. O diploma com as alterações ao estatuto do deputado, que permite a criação do assistente individual, foi publicado em Diário da República na última sexta-feira e estabelece que os encargos com a aplicação desta medida sejam “satisfeitos pelo orçamento da AR, salvo determinação legal especial”. O presidente do Parlamento já disse que a contratação destes assistentes “não pode ser feita com recurso ao aumento do orçamento da AR”, até porque “o Orçamento da Assembleia não pode ter uma expansão superior à do Orçamento de Estado em termos de despesa pública e de despesas com pessoal”.

Enquanto o poder de compra de alguns Portugueses (classe média , média baixa e baixa) vai diminuíndo de dia para dia, a classe política beneficia os seus conhecidos e partidários. Se os deputados têm tempo para adormecer na assembleia, para tratar dos seus assuntos particulares e tudo mais, precisam de assistentes para quê? As contratações serão feitas como? Qual será o factor mais importante? O factor "C" Cunha, Familiar ou Tacho? Quando é que estes senhores vão ganhar vergonha na cara e começar por dar o exemplo quando pedem para "apertar o cinto"???

Posted by Espectadora Atenta

2 comentários:

Zé Guita disse...

Car A. João Soares

E isto acontece quando entre os cidadãos que apertam o cinto e não só vem ganhando volume a expectativa de que se fala de ver a AR fazer alguma contenção orçamental, por ex,reduzindo para metade o número dos deputados.
Até dá a impressão de que semeiam ventos propositadamente...
Aliás, parece haver outros vendavais em gestação, como o do meio militar...

Saudações

A. João Soares disse...

Caro Amigo,
O que é muito preocupante é o povo não reagir. Gente sofredora que cala a sua indignação e cultiva a resignação. Vivemos anestesiado com a as notícias do desaparecimento da menina inglesa, com o futebol e as telenovelas e não pensamos seriamente nos verdadeiros problemas o País, em que os maus políticos criaram um défice orçamental, exigem os maiores sacrifícios do povinho e eles vão aumentando as suas regalias e usufruto, em tudo que sejam cargos políticos ou do topo das empresa com capitais públicos ocupados por políticos e seus familiares. E vão empregando os familiares, incapazes de uma concorrência leal com os restantes portugueses, em lugares fictícios criados apenas para esse efeito.
Até quando, bom povo português???
Um abraço
Sempre Jovens