domingo, 26 de outubro de 2008

Investimentos públicos insensatos

Os adjectivos do título são muito eufemísticos, pois, em muitos casos, trata-se de autênticos actos de loucura com o dinheiro dos contribuintes, bem traduzidos nos versos dos lusíadas
Ó glória de mandar! ó vã cobiça
Desta vaidade a quem chamamos fama!
(Canto IV, estrofe 95)

O DN de hoje recorda a polémica dos estádios de futebol construídos, por razões puramente emotivas e sem fundamentos lógicos, para o Euro 2004. Não foram apenas as enormes despesas da construção mas também os custos da sua manutenção de que o jornal salienta «clubes e câmaras afundados em dívidas, taxas de ocupação baixíssimas, utilizações questionáveis» e questiona «que destino se dá a aparelhos urbanos de elevado investimento?» «Cinco anos depois, que fazer aos aparelhos do Algarve, Leiria, Aveiro (sem equipas do campeonato de topo, ou mesmo sem equipas, como no caso de Faro/Loulé), e mesmo Coimbra e até Braga?».

O artigo merece ser lido na íntegra, pelo será interessante a utilização do link colocado no início deste post.

Os governantes, responsáveis por gerir o dinheiro que os contribuintes têm de pagar têm obrigação de aprender estes exemplos de actos a evitar. Mas a lição não parece ter sido aprendida e levada a sério. Luís de Camões tinha razão (aliás era um sábio que ainda não foi superado, mesmo com a actual ajuda da Internet).

No mesmo dia, no diáriodigital vem a notícia de que «O primeiro-ministro, José Sócrates, afirmou, em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, que a crise não vai afectar as grandes obras públicas e garantiu o investimento no TGV, no novo aeroporto, nas auto-estradas e nas barragens.»

Quanto às autoestradas, já ouvi dizer que começa a faltar, nos intervalos entre elas, terreno para cultivar tomates, razão porque este «fruto» está a escassear no País!

Quanto ao moderno combóio, o Engenheiro Mira Amaral, de forma fundamentada e convincente, demonstrou que construir um TGV entre Lisboa e Porto é uma loucura inteiramente injustificada num País tão carente de recursos. Para se ganharem escassos minutos na viagem, não é racional fazer tão elevado investimento. Com menos custos, devia melhorar-se a linha para, em todos os troços do percurso, ser possível aproveitar toda a potencialidade do material circulante já existente.

Camões tinha muita razão ao escrever os versos transcritos no início.

2 comentários:

Luis disse...

Países ricos e inteligentes como a Suécia e a Noruega não têm TGV's mas têm bons cuidados sociais com toda a atenção à saúde, à educação, mantendo comboios de alta velocidade como os nossos intercidades. Mas na irresponsabilidade em que vivemos tudo é permitido! Se os governantes tivessem que pagar do seu bolso as asneiras que cometem outro galo cantaria....

A. João Soares disse...

Caro Luís,
«Outro galo cantaria», se se sentissem responsabilizados pela forma como utilizam os dinheiros públicos. Mas como não são controlados e se sentem imunes à justiça dão largas à sua vaidade, megalomania e abuso do poder. Foi nesse sentido que publiquei o post Lições do dito «Terceiro Mundo», cuja leitura recomendo.
Abraço
João