sábado, 27 de dezembro de 2008

O bom senso morreu!!!

É com muita tristeza que lhe participamos o falecimento de um amigo muito querido que se chamava BOM SENSO… e que viveu muitos e muitos anos entre nós.

Ninguém conhecia com precisão a sua idade, porque o registo do seu nascimento foi desclassificado há muito tempo, tamanha a sua antiguidade.

Mas lembramo-nos muito bem dele, principalmente pelas suas lições de vida como :

«O mundo pertence àqueles que se levantam cedo »
«Não podemos esperar tudo dos outros »
Ou ainda,
«O que me acontece pode ser em parte também por minha culpa »
E também …
O BOM SENSO só vivia com regras simples e práticas como :
«Não gastar mais do que se tem »
e de claros princípios educativos como :
«São os pais quem dão a palavra final»

Acontece que o BOM SENSO começou a perder o chão, quando os pais passaram a atacar os professores, que acreditavam ter feito bem o seu trabalho querendo que as crianças aprendessem o respeito e as boas maneiras.

Sabendo que um educador foi afastado ao repreender um aluno por comportamento inconveniente na aula, agravou-se o seu estado de saúde.

Deteriorou-se mais ainda, quando as escolas foram obrigadas a ter autorização dos responsáveis, até para um curativo no machucado de um aluno, sequer podiam informar os pais de outros perigos mais graves incorridos pela criança.

Enfim, o BOM SENSO perdeu a vontade de viver quando percebeu que os ladrões e os criminosos tinham melhor tratamento do que as suas vítimas.

Também recebeu fortes golpes morais e físicos, quando a Justiça decidiu que era crime defendermo-nos de algum ladrão na nossa própria casa, enquanto a este último é dada a garantia de poder queixar-se por agressão e atentado à integridade física...

O BOM SENSO perdeu definitivamente toda a confiança e a vontade de viver quando soube que uma mulher, por não perceber que uma xícara de café quente iria queimá-la, ao derramá-lo numa das pernas... recebeu por isso, uma colossal indemnização do fabricante da cafeteira eléctrica.

Certamente, você já reconheceu, que a morte do BOM SENSO foi precedida pelo falecimento:
- dos seu pais: Verdade e Confiança;
- da sua mulher Discrição;
- da sua filha Responsabilidade e
- do filho Juízo.

Então, o BOM SENSO deixa o seu lugar para três falsos irmãos :
- «Eu conheço os meus direitos e também os adquiridos»
- «A culpa não é minha»
- «Sou uma vítima da sociedade»

Claro que não haverá multidão no seu enterro, porque já não temos muitas pessoas que o conheçam bem, e poucos se darão conta de que ele partiu.

Mas, se você ainda se recorda dele, caso queira reavivar a sua lembrança, previna todos os seus amigos do desaparecimento do saudoso BOM SENSO fazendo circular esta comunicação…

Senão, não faça nada... deixe tudo como está!!!

De autor desconhecido. Recebido por e-mail.

8 comentários:

Anónimo disse...

Amigo João Soares:
O Bom Senso está moribundo,porque era moldado na formação do ser humano por duas instituições fundamentais que se encontram em profunda crise - A FAMÍLIA e a ESCOLA.Cada vez mais a vida em sociedade se deteriora pela ausencia de valores éticos e solidariedade. Prevalece o egoísmo ,a corrupção que conduz ao enriquecimento fácil e à deterioração da nossa identidade como Nação. A ausencia de bom senso é evidente em muitas decisões do governo, em especial na Educação,Saúde e Obras Públicas, com agravamento das condições de vida dos portugueses.
Um abraço
Eurico

A. João Soares disse...

Meu caro Eurico,
Com tal poder de análise esclarecida, muito se tem perdido por não teres comentado mais vezes!!!
Tocaste em dois pilares essenciais da formação das pessoas: a família e a escola. Com tais pilares em mau estado, a sociedade fica pobre, muito deficiente, sem bom senso.
Volta mais vezes aqui.
Um abraço
João

Fenix disse...

Como lhe sinto a falta!!!
Como sinto a falta a toda a "família": À verdade e Confiança, à Discrição, à Responsabilidade e ao Juízo!
Já aqui disse noutra oportunidade que, quanto a mim, vem tudo da falta da educação e exemplo dentro da FAMÍLIA.
A nossa sociedade foi-se virando, por necessidade ou por ganância, para o lado economicista, esquecendo a moral e a emoção.
As crianças crescem nas linhas de montagem das amas, creches e infantários. Não recebem amor e atenção parental em quantidade suficiente para amarem os pais, os conhecerem e respeitarem. Grande parte dos pais da actualidade também já nem sabe dar valor a isso e até preferem não ter que lidar com emoções. Alguns até se esquecem de ir buscar os filhos ao infantário e só não os levam para lá aos fins de semana porque os infantários estão fechados!
É preciso fazer crescer as FAMÍLIAS, mas não estas famílias. Estas geram pessoas que não conhecem e nunca conhecerão o BOM SENSO!
Parabéns pela colocação do texto!
Todos os dias este tipo de textos deviam ser publicados bem à frente dos olhos das maiorias!
Quiça nos placares publicitários, no metropolitano e paragens de autocarros..., nos intervalos das telenovelas e do futebol!

Abraço e continuação de BOAS FESTAS!
Fenix

A. João Soares disse...

Querida Fénix,
Obrigado por esta visão muito clara do problema. Criticar não pode ser apenas apontar o que está menos correcto, mas indicar soluções ou, pelo menos pistas para elas.
As pistas que indica seriam muito úteis, mas têm custos e os detentores do Poder não estão sensibilizados para a importância de encarar esta situação de frente. Eles não sabem o que isso é.
Mas se aparecessem na Comunicação social espaços dedicados ao civismo em todos os seus aspectos, nos placares, nas palavras de professores, padres e outra gente de bem, certamente o mundo melhoraria.
Há uns meses acerca de a esperança de vida ser menor nos homens do que nas mulheres, um médico apontava para o facto de essa diferença ser maior em Portugal do que nos parceiros europeus e apresentava como explicação que isso se deve ao maior comportamento de risco, na vida nocturna, álcool, droga, desportos radicais e outros excessos. Tudo isso se enquadra na falta de Bom Senso.
Pela minha parte, procuro aqui alertar para as vantagens de comportamentos mais dignos, menos materialistas e mais adequados à harmonia interior e social.
Beijos e votos de bom Ano Novo
João

Luis disse...

O edificio da nossa Sociedade tem nos seus alicerces dois pilares muito corroídos. a saber: FAMÍLIA e ESCOLA. Assim sendo como será possivel que ela comporte a ÉTICA e o BOM SENSO necessárias a uma VIVÊNCIA SAUDÁVEL entre todos que a compõem?
Num dos comentários anteriores era referida a falta de atenção dos pais em relação aos filhos não os preparando para a vida... mas não é de admirar pois se alguns pais até se esquecem dos filhos nos carros, com eles aí fechados, enquanto vão às compras nos supermercados!
Realmente era imperioso fazer-se uma campanha publicitária no sentido de se valorizarem estes VALORES e outros do mesmo cariz aproveitando as Leis do Mecenato, pois assim nem se gastaria muito dinheiro e o que fosse utilizado traria de certeza bom retorno à sociedade!

A. João Soares disse...

Caro Amigo Luís,
Como dizes todo o investimento bem aplicado na recuperação da ética e de valores traz de certeza bom retorno à sociedade. O aproveitamento do mecenato pode ser uma solução, a organização de concursos de pequenas frases ou de curtos textos. Isso obrigaria os concorrentes, na mira do prémio, a pensar no assunto. Seria uma oportunidade de acordar uma parte da população para o problema.
Mas, por melhor que sejam as soluções a recuperação de bons hábitos será demorada.
Um abraço
João

Savonarola disse...

Caro A. João Soares,
Só temos a lamentar a perda deste outrora tão famigerado "bom senso". Acabou por dar lugar à arrogância, aos julgamentos precipitados e a tantos outros vícios sociais, que a sociedade perdeu o seu norte. Neste neoliberalismo desenfreado em que vivemos, só o lucro, o proveito próprio contam. Tudo o resto é dispensável. Tudo se tornou tão descartável como a própria pessoa humana...
Um abraço

A. João Soares disse...

Caro Savonarola,
Para muita gente, a norma é agir por palpite, na ânsia do máximo proveito no mínimo tempo e se alguém alerta para prováveis más consequências a resposta é, muitas vezes «não há-de ser nada e seja o que Deus quiser». Depois surge o endividamento sem solução, os acidentes na estrada, etc. Para outros, os dos milhões, nada acontecerá com a Justiça a não ser que o escândalo seja exagerado e algum cúmplice o denuncie, por se sentir menos beneficiado. Esses e os políticos sentem-se protegidos pela arrogância, a propaganda que obscurece o espírito crítico da maior parte dos eleitores.
No relacionamento entre as pessoas, gera-se a desconfiança generalizada, que impede a amizade e a solidariedade.
Realmente sem Bom Senso e outros valores éticos, a vida humana torna-se insustentável.
Abraço e votos de Bom Ano Novo
João