sexta-feira, 9 de julho de 2010

Um alerta apenas

Refiro apenas uma curta passagem do post O livro da Sinistra, autor: Santana Castilho, do blog Sempre Jovens:


««Os adultos que fizeram a quarta classe da instrução primária no tempo dos nossos avós sabiam mais do que os jovens que hoje concluem o 9º ano? …» (obra citada, p. 11). A questão é intelectualmente pouco honesta. Porque compara 4 anos de escolaridade com 9.»

NOTA: não desperdiço espaço com propaganda ao nome do livro nem à autora desta pequena mas muito significativa frase. Quem estiver interessado leia no Sempre Jovens.

7 comentários:

O Guardião disse...

Coitada da senhora que fez o melhor que sabia, que era pouco, e o que a mandavam fazer, que era uma asneirada.
Infelizmente, e sem querer fazer comparações, a cultura geral de grande parte dos alunos do 9º ano é constrangedora, mas isso já se verifica há vários anos, se calhar por falta de estabilidadeno ensino.
Cumps

A. João Soares disse...

O saber do 9.º ano e até de licenciados é arrepiante, como tive ocasião de ver nalguns concursos que por acaso vi na TV. Deixei de ver TV por essas e por outras.
Há Mais de meio século, com a 4ª classe, conhecia-se a geografia de Portugal, rios e afluentes, linhas de caminhos de ferro e ramais, serras, matemática (aritmética e alguma geometria), história, ciências naturais, etc, etc.

Um abraço
João
Sempre Jovens

O Quiosque da D. Maria disse...

Há muitos anos aprendia-se o necessário e o desnecessário mas o facilitismo actual contribui para formar uma classe de ignorantes sem préstimo para nada.
Quanto à senhora nem no nome dela quero falar.

Pedro Coimbra disse...

Caro João,
Completei 46 anos recentemente.
Lembro-me bem do meu exame na 4ª classe.
Escrito e oral.
Era meu professor o saudoso Bentes (o jogador da Académica que ficou conhecido como "Rato Atómico").
Quem dava erros ortográficos não tinha vida fácil.
E era reprovado.
Conceito que parece que arrepia o moderno "eduquês".
Vão sendo criados incompetentes funcionais, chico-espertos que fazem exames aos domingos e por fax.
Não consigo perceber.
Muito menos aceitar.
Um abraço

A. João Soares disse...

Caro Quiosque e Pedro,

Tudo o que se aprendia tinha utilidade pela vida fora, e se não fosse directamente aplicado, servia de substrato como cultura para se compreender muita coisa de que hoje os jovens não fazem a mínima ideia.
É estranha a lata da sinistra ter publicado tal livro e de merecer tantos elogios de ocasião, de «bom tom» por pessoas que «armaram em bacocos» quando até eram tidos como sensatos e medianamente (pelo menos) inteligentes.
Deixou de haver dignidade, sinceridade, seriedade e credibilidade.

Abraços
João
Saúde e Alimentação

Luis disse...

Caro João,
Como calculas este tema é de grande acuidade no momento actual pois o nosso (des)ensino é, por demais, miserável e está a criar a falsa ideia nas estatisticas que "tudo vai bem neste reino da fantasia"... Ensino sem qualquer qualidade, com passagens "administrativas" do 8º para o 10º ano, "cursos universitários à La Diable" etc., etc., é um autêntico passaporte para um País terceiro mundista cheio de "analfabrutos" a chegarem a lugares de responsabilidade sem qualquer preparação para os mesmos, coisa que já vai acontecendo infelizmente!!! Vejam-se as suas declarações que por aí correm...
Um abraço amigo e sempre alerta!

A. João Soares disse...

Caro Luís,

O destino do País depende dos cidadãos. Não podemos esperar dos políticos que façam milagres. Por vontade deles, calaceiros como são, nada fariam a não ser governarem-se. Só fazem qualquer coisa depois de serem pressionados empurrados pela força popular. E mesmo então procuram satisfazer clientelas, trocar favores pessoais, alimentar compromissos, conivências e cumplicidades.
Por isso, é preciso estarmos atentos e ter a coragem de levantar a voz e gritar: O Rei vai nu! Muitos desses gritos acabarão por produzir efeito.
Não podemos cruzar os braços e esperar que outros resolvam o nosso problema ou que haja milagres.

Um abraço
João