quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Aluno português brilhou em competição no Japão

Transcrição de artigo, seguida de NOTA:

Aluno brilha nas Olimpíadas da Química no Japão
Jornal de Notícias. 05-08-2010. Por GLÓRIA LOPES

Concluir o 12º ano com uma média de 19,9 valores não é para todos, mas este foi o resultado alcançado por Jorge Nogueiro, 17 anos, aluno da Escola Secundária Emídio Garcia, em Bragança.

O jovem, estudante excepcional, foi o primeiro português a ganhar um título nas Olimpíadas da Química, que decorreram no Japão, de onde trouxe uma menção honrosa.

A participação no evento internacional foi considerada por Jorge Nogueiro “fantástica”, porque lhe permitiu o contacto com outros estudantes de países “muito mais adiantados do que nós nestes aspectos, onde alguns participantes com 18 anos vinham a preparar-se desde os 13 anos para participarem”, referiu. A pressão no concurso foi grande, mas o aluno brigantino gostou do clima de competição, sobretudo dos países asiáticos, cujos estudantes normalmente arrebatam as medalhas de ouro.

O jovem não considera uma fatalidade viver no interior, apesar de reconhecer que no litoral e nas grandes cidades há mais oportunidades de estudo e de trabalho. Faz das fraquezas forças e esforça-se por brilhar. “Viver aqui (Bragança) até é uma forma de nos fortalecermos, como há dificuldades de acesso a algumas coisas e não há grandes oportunidades, temos de lutar mais”, confessou.

Foi a primeira vez que Jorge Nogueiro participou nas Olimpíadas da Química. Em 2009 foi apurado e desde então que vinha recebendo preparação na Universidade de Aveiro.

NOTA: Esta nota será apenas preenchida por uma lista de posts aqui publicados, sobre o mesmo tema, cujos títulos, só por si, parecem bem eloquentes.

- Jovens hoje, adultos responsáveis amanhã
- Criança estimulada e apoiada sobressai
- Jovens ao poder
- Estudantes premiados
- Geração com menos de 40
- Preparar o futuro
- Geração perdida? Não
- Três mulheres cientistas premiadas
- Cientistas portugueses em destaque
- Jovens que recuperarão Portugal
- Mais jovens portugueses premiados internacionalmente
- Respeitar os jovens e apoiar os mais válidos
- Jovens hoje, líderes amanhã !!!
- Jovens portugueses em destaque no estrangeiro
- Mais dois jovens em destaque
- Jovens desejam preparar o futuro
- Sobredotados sem compreensão e apoio do Governo
- Mais um caso de jovens válidos
- Jovens em voluntariado louvável
- Jovens excepcionais
- Jovens válidos são esperança para o País
- Filipe Valeriano, Português que sobressai
- Cientistas portugueses em destaque internacional
- Jovens cientistas portugueses
- Jovens com prémios científicos internacionais
- Tenhamos esperança nas novas gerações
- Jovens hoje, Líderes amanhã

Imagem da Net

6 comentários:

O Guardião disse...

Somos tão capazes como os outros mas bem podíamos aprender com os métodos de aprendizagem de outros países com resultados escolares melhores. Não será com toda a certeza com a abolição dos chumbos que lá chegamos.
Cumps

A. João Soares disse...

Caro Guardião,

Tem muita razão. Estes resultados são obtidos com muito trabalho, curiosidade e vontade de tirar dúvidas e adquirir conhecimentos. Não é apenas com o que aprendeu nas aulas que este estudante obteve aquele galardão.
O nosso ensino optou pelo facilitismo e pala abolição de chumbos e repetições de ano, o que tira motivação até aos bons alunos.

Gostava de saber quais são os objectivos que os responsáveis pela Educação pretendem atingir. Certamente não têm coragem de confessar o que pretendem fazer de Portugal.

O País de amanhá depende da acção dos actuais estudantes e, por isso sempre que h´+a casos positivos cito-os aqui. B*Nesse sentido fiz a lista de links para os posts relacionados com isto.

Um abraço
João
Só imagens

Rogério Pereira disse...

Caro João,

Vou guardar este seu post, não só pelo que afirma, como para reter provas de que vale a pena ter esteranças nas novas gerações...

Abraço

Pedro Coimbra disse...

E o garoto ainda se constitui como exemplo noutra vertente.
Quando afirma que, não é por ser de Bragança, que não pode atingir resultados de excelência.
Trablaho, esforço, dedicação, compensam em qualquer parte.

A. João Soares disse...

Caro Rogério,

A minha idade, já perto da «reforma», não dá para ter esperanças, mas apenas para viver o dia-a-dia!!!
Tenho a certeza e desejo que todos os jovens se convençam disso, que têm que ser eles a reformar o mundo, a criar as condições em que desejam viver, a reconstruir os estragos que os seus antecessores têm feito estúpida e inconscientemente.

Este exemplo vindo de um jovem de Bragança, e os muitos que refiro nos posts citados, demonstram que há jovens capazes e com consciência de que há valores que devem ser cultivados. Precisam de trabalhar, ter objectivos bem definidos e apropriados à dura tarefa que têm à sua frente. Têm que desminar o trilho por onde avançam, como, por exemplo, eliminar aqueles que não estimulam o mérito e que, pelo contrário, querem acabar com os chumbos e as repetições e dar um diploma de doutor a cada cidadão.

Esta nossa actual geração está a demolir o pouco que ainda há de bom em Portugal, retirando estímulos a quem os merece e deles precisa para melhorar o mundo, a combater a crise financeira com o sangue de quem já está debilitado, frágil, anémico, mas a, pelo contrário, a engordar os já ricos de carteira obesa, a manter reformas múltiplas e milionárias, a aumentar fortunas imorais e de origem duvidosa, dos «rurais deslumbrados», dos novos ricos da política, e dos negócios escuros bem protegidos, dos tachistas incompetentes por compadrio e cumplicidade.

Felizmente, há jovens que pensam e querem desenvolver as suas capacidades e utilizá-las para fins edificantes. A lista de posts a abordar casos exemplares já justifica esperança.

Um abraço
João
Só imagens

A. João Soares disse...

Caro Pedro Coimbra,

Não poso deixar de concordar com com esta sua frase
«Trabalho, esforço, dedicação, compensam em qualquer parte.»

Mas, todo esse esforço é muito maior no interior, onde as fontes de informação, bibliotecas, museus, e não só, escasseiam, o que exige mais trabalho. Mas quando há vontade, como a do Jorge Nogueiro, as dificuldades servem de exercício de musculação e fortificam a capacidade de luta.

Pela minha parte ajudarei todos os casos exemplares que conheça, dando-lhes o espaço que for possível.

Há que recompensar, estimular, o mérito para bem de Portugal.

Um abraço
João
Só imagens