segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Fogos florestais. Voluntários na prevenção

Em comentário no post em Do Mirante, a alma generosa Fernanda Ferreira, conhecida por Ná entre os amigos e que foi notável dinamizadora no seu concelho durante a preparação e execução da operação Limpar Portugal, disse que estão a ser formados «grupos de voluntários para ajudar efectivamente na vigilância e mesmo no combate aos fogos» e quis saber a minha opinião. Isso permitiu-me alinhar as seguintes considerações.

Os políticos concentram-se fundamentalmente em conquistar o poder e depois em o manter para tirar do cargo os maiores benefícios pessoais e para familiares e amigos. Repare-se das geniais palavras do MAI quando foi mostrar-se na TV em S. Pedro do Sul. Foi um autêntico Conde de Abranhos descrito pelo Eça de Queiroz. Falou para não deixar de o fazer, mas nada disse . Genial figura!

O PR mais uma vez levantou esperança na sua acção patriótica ao anunciar a interrupção das férias para uma reunião do mais alto nível e, no final, em vez de grandes estratégias contra os fogos, disse ao povo... nada. Mais uma vez nos fez lembrar aqueles anos em que nos encheu os ouvidos com a palavra TABU e a própria boca com um desmesurado pedaço de PÃO DE LÓ. Desta forma, acabamos por não ter razão para ter consideração pelos nossos políticos, além do «respeito» institucional, apenas protocolar.

Em consequência disso, de os fogos parecerem imparáveis e da incapacidade dos governantes de prepararem uma eficaz prevenção dos fogos florestais a resposta aquele pedido será de concordância a que a população se organize seguindo todas as regras da ORGANIZAÇÃO, com hierarquia e disciplina, bom código de regras e objectivos bem definidos, tendo em atenção que o combate aos fogos não é tarefa para amadores. Nunca esquecer que um grupo de militares morreu queimado na Serra de Sintra quando ajudava os bombeiros a combater um incêndio. O primeiro objectivo deve ser analisar as imbecilidades dos políticos, com especial incidência em vereadores, como se verificou na operação Limpar Portugal, e denunciá-las publicamente, como justificação para o povo se organizar, a fim de suprir essas incapacidades.

Depois da operação LIMPAR PORTUGAL concluiu-se que o povo voluntário, em vez de continuar os seus trabalhos de limpeza, devia passar à posição de observador da forma como as autarquias cumprem ou deixam de cumprir as suas tarefas e, publicamente, acusá-las e ao Governo da incúria com se desleixam e deixam de olhar para o País real.

Essa ORGANIZAÇÃO, sendo bem preparada, e tendo bons objectivos acaba por ser um segundo Governo, mais eficaz, mas sem a remuneração nem as mordomias, devendo por isso usar a sua generosidade e real autoridade para se impor e exigir ser respeitada pelo Governo e propor a saída de políticos menos eficientes.

Vigiar os campos é necessário mas não é suficiente, sendo também importante, periodicamente, retirar a caruma, os matos e os ramos secos dos pinheiros, e isso não é fácil para populares voluntários.

Sobre a vigilância, já publiquei vários textos, sugerindo actividade cultural, didáctica (passeios de grupos de estudantes com os seus professores para observar as espécies vegetais ao vivo) e desportiva (provas de marcha, de ciclismo, de orientação, seguidas de piquenique e variedades culturais) nas matas. Citei os esquemas de vigilância na altura efectuados nos concelhos de Alcains, Mortágua, Góis e Chamusca. Sem dúvida que para defender as matas é preciso amar a Natureza vegetal e para a amar é indispensável conhecê-la. Por outro lado, os pirómanos sentir-se-ão menos à vontade para atear fogo sabendo que podem ser apanhados em flagrante.

Segue-se uma lista de links de cartas publicadas em Jornais, desde 08-08-2002.

- Fogos florestais. Helicópteros. Pilotos
- Fogos florestais, sem prevenção eficaz
- Mais vale prevenir do que remediar. 19-08-2003
- Fogo denuncia país dividido
- A época dos fogos florestais aproxima-se. 03-05-2006
- Definir a Protecção Civil. 22-02-2006
- Fogos florestais pertencem ao passado? 24-05-2006
- Prevenção de fogos florestais. 13-09-2005
- Fogos florestais e incapacidade dos políticos. 30-07-2005
- Prevenção de fogos florestais. 11-08-2004
- Fogos florestais. Prevenção e combate. 11-08-2004
- Fogos florestais. Problema a analisar com pormenor. 16-08-2004
- Fogos florestais. Problema a não esquecer. 25-04-2004
- Fogos Florestais - Enxurradas. 18-12-2003
- Mais vale prevenir do que remediar. 19-08-2003
- Prevenção de fogos florestais. 13-08-2003
- Prevenção nas florestas. 24-08-2002
- Vigilância das florestas pelo motoclube de Alcains. 08-08-2002

Imagem da Net.

5 comentários:

Fernanda disse...

Amigo João!

Obrigada!

Primeiro, pela sua lucidez na visão do que há verdadeiramente para equacionar e pôr em prática.

Segundo, pelas soluções apontadas e as advertências aos civis e até soldados (todos, gente sem treino para esta perigosíssima tarefa), não é por acaso que já pereceram até bombeiros.

Terceiro, pela sua dedicação exaustiva e sentimento de total empenhamento na divulgação desta calamidade.

Meu amigo, já tomei uma decisão quanto ao chamamento do amigo Pimentel.
Eu não tomo mais a liderança de nada...
muito menos enquanto este governo se mantiver no poder e os seus lacaios forem como o Eng. Fernando Nogueira, vereador de vários pelouros, entre os quais o do Ambiente,da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira.

Engrossarei a fileira de quem tomar a liderança, como puder, e exporei e denunciarei sempre as suas falhas grosseiras.

A Coordenação do Limpar Portugal, recebeu na altura a minha queixa, o meu lamento, a minha indignação e nada fez.
Eles sim, são já uma Organização Nacional, com peso, com o Aval da Presidência da República, eles têm poder para denunciar e actuar...
que o façam!
Manter-me-ei a eles ligada, e darei o meu apoio possível.

Parabéns por este completíssimo texto.

Beijinhos

A. João Soares disse...

Amiga Ná,

Não devemos desanimar. De uma forma ou de outra, conforme as nossas capacidades, devemos colaborar para construir um Portugal melhor.
Já me dedico a este objectivo há muito anos. Em 1992 durante cerca de seis meses ia para o ar no Rádio Clube de Sintra uma alocução minha sobre o respeito pelo ambiente. As cinco alocuções da semana eram gravadas num dia a combinar e depois durante a semana, sempre que podia, ia lá à hora da emissão e respondia a telefonemas de ouvintes.
Porém quem me podia fornecer informação e dicas sobre temas , não o fazia. Não queriam que eu brilhasse mas também não faziam nada. Acabei por desistir, porque nada justificava estar a criar inimizades com autarcas e pessoas menos escrupulosas.

Beijos
João
Só imagens

O Guardião disse...

Estimular a participação cívica, juntando todos para se atingir um objectivo que é do interesse comum. A educação cívica e os estímulos para o voluntariado são sempre de aplaudir.
Cumps

Pedro Coimbra disse...

Voluntariado na prevenção, voluntariado no combate, tantas vezes com perda de vidas.
Bem hajam!

A. João Soares disse...

Caros Guardião e Pedro Coimbra,

Para o voluntariado ser eficiente deve começar por pressionar os «responsáveis» para que passem a ser sensatos, ter juízo. Reparem nesta notícia do Ionline que evidencia uns funcionários anedóticos:

Plano de defesa da floresta só foi eficaz em Verões pouco quentes e com chuva

Que péssimos planeadores!!! É como se uma pessoa planeasse a sua vida a contar com o jackpot do Euromilhões ou o totoloto. Planear é ser realista e pensar nas piores hipóteses. É mesmo tipicamente dos portugueses que dizem «Não penso mas existo».

Abraços
João
Do Mirante