sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Sócrates mente com «entusiasmo bacoco»

Transcrição de artigo

PSD acusa Sócrates de faltar à verdade com “entusiasmo bacoco"
Público. 13.08.2010 - 17:52 Por Lusa

Reacção às declarações do primeiro-ministro

O deputado social-democrata Miguel Frasquilho acusou hoje o primeiro ministro, José Sócrates, de faltar à verdade e ter um “entusiasmo bacoco” em relação ao crescimento de 0,2 por cento da economia anunciado pelo INE.

“Não consigo partilhar do entusiasmo do primeiro-ministro, diria mesmo que é um entusiasmo bacoco. É um entusiasmo que não tem fundamento”, afirmou Miguel Frasquilho à Lusa.

José Sócrates afirmou que o crescimento económico divulgado pelo Instituto Nacional de Estatístico (INE) “confirma a recuperação” da economia nacional e é “um sinal de grande encorajamento e confiança”.

A economia portuguesa abrandou o ritmo mas continuou a crescer no segundo trimestre, subindo 0,2 por cento face aos três primeiros meses do ano, e 1,4 por cento face ao mesmo período de 2009, indicou hoje o INE.

“Percebo que os governantes tentem incutir o máximo de confiança nos agentes, mas também percebo que os governantes não devem faltar à verdade aos eleitores, aos contribuintes, a todos os agentes de um país”, contrapôs Miguel Frasquilho.

“Claramente, o que me parece é que o primeiro-ministro hoje faltou à verdade, ou não soube ler os dados económicos ou leu-os de uma forma muito conveniente que só ele saberá qual é”, acrescentou.

O deputado social-democrata sublinhou que “a esmagadora maioria dos países da zona euro e da União Europeia aceleraram o crescimento quer em termos homólogos quer face ao trimestre anterior, Portugal está no restrito grupo de países em que esse crescimento económico se reduziu e, pior, Portugal voltou a divergir face à média europeia e face à média da zona euro”.

“Temos um crescimento mais baixo, o que significa que no segundo trimestre do ano os portugueses voltaram a empobrecer. Penso que os portugueses estarão estupefactos também com a reacção do primeiro-ministro”, defendeu, sublinhando que parece que José Sócrates “vive num pais e todos os outros portugueses vivem noutro”.

O “país real”, afirmou, é o que os dados mostram, “em que os 19 países para os quais foram conhecidos dados para o segundo trimestre, só há dois em que o crescimento diminui face ao primeiro trimestre, a Grécia e Portugal”.

“O que podemos encontrar é um país numa tendência descendente, que é, portanto, infelizmente, negativa. Isto não augura nada de bom para a segunda metade do ano, porque se sabe que os aumentos de impostos que foram decretados entraram em vigor na sua esmagadora maioria no início de Julho, ou seja, esta informação que agora foi divulgada não apanha esse período”, sustentou.

Imagem da Net.

1 comentário:

O Guardião disse...

A verdade já não faz parte da política nacional, e isso paga-se caro, muito caro mesmo.
Cumps