domingo, 8 de julho de 2012

Regime político deve ser substituído

Alberto João Jardim raramente é bem aceite por as suas palavras serem pouco suaves e vigorosas e provocadoras, mas não é raro que diga coisas acima de qualquer polémica e que nos deixam a pensar qual o grande pensador que já teria dito aquilo. É agora o caso da notícia regime político deve ser substituído porque não resolve problemas do país

Dela se transcrevem algumas frases de grande densidade:

- “Disse há 30 anos que este regime político ia bater com Portugal no fundo e pôs-nos sob administração estrangeira”.
- «…não conheço na História nenhum caso em que um regime político que rebentou com um país possa continuar e tenha a hipótese de o recuperar»
- “quando os regimes políticos não funcionam só há uma solução - é substituí-los por outros”.

Imagem de arquivo

2 comentários:

A. João Soares disse...

O tema deve ser meditado. Vejamos, por exemplo os artigos:

Portas: situação é “teste à envergadura” dos políticos

Autonomia vive o momento mais critico da sua história

Tenho expresso nos blogues que seria preferível que a mudança do regime se processasse por «evolução» pacífica, portanto, seria levada a cabo pelos detentores do poder. Mas tal solução é utópica, demasiado idealista para poder concretizar-se.
Mas a iniciativa e a acção a desenvolver não pode ser esperada dos políticos que temos, porque, desde há perto de 40 anos, eles, salvo eventuais excepções, têm sido formados pelas motivações e segundo o método referidos em Carreira política, artigo aqui colocado há poucos dias.
Os portugueses, temos que passar a falar menos de futebol e mais, muito mais, dos problemas graves que estão a ameaçar os cidadãos de hoje e, mais ainda, os de amanhã. A solução de Portugal tem que ser preparada, mas não se pode esperar que seja encontrada pelos seus autores, os políticos da geração actual que estão demasiado agarrados aos vícios que foram criados e desenvolvidos em quase quatro décadas.
LEVANTAI HOJE DE NOVO O ESPLENDOR DE PORTUGAL !!!

A. João Soares disse...

Alberto João continua coerente nas suas afirmações frontais, muito polémicas mas que merecem ser meditadas para encontrar as verdades nelas contidas.
Agora surgiu mais esta:

Alberto João Jardim critica "leis tontas" da República